Artistas de Nossa Senhora dos Surdos, Mãe do Silêncio

 

GUERCINO

Retrato do pintor italiano Giovanni Francesco Barbieri, mais conhecido como Guercino. A pintura é de Ottavio Leoni (1587-1630)
Retrato do pintor italiano Giovanni Francesco Barbieri, mais conhecido como Guercino. A pintura é de Ottavio Leoni (1587-1630)

 

Giovanni Francesco Barbieri, mais conhecido como Guercino ou Il Guercino, foi um pintor do Barroco italiano, natural da região da Emília-Romanha e ativo em Roma e na Bolonha. “Guercino” é a palavra italiana para “estrábico”, apelido que lhe foi dado por conta de seu desvio ocular. Tornou-se especialmente célebre por conta de seus caprichosos desenhos.

Guercino nasceu em Cento, um vilarejo localizado entre Bolonha e Ferrara. Autodidata, desenvolveu precocemente sua arte. Já aos 17 anos, colaborou com Benedetto Genari, pintor da escola bolonhesa. Por volta de 1615, transferiu-se para Bolonha, onde sua obra recebeu vultosos elogios de Lodovico Carracci. Desta fase, datam duas obras feitas por encomenda do cardeal Serra, embaixador papal em Ferrara, nas quais se observa, pela primeira vez, um naturalismo tipicamente caravaggesco: Elias Alimentado pelos Corvos e Sansão Aprisionado pelos Filisteus.

Em 1618, executa duas de suas obras-primas absolutas, Os Pastores da Arcádia (Et in Arcadia ego), atualmente na Galleria Nazionale d’Arte Antica (Roma), e O Esfolamento de Mársias por Apolo (Palazzo Pitti, Florença). Nesta época, seu estilo pessoal, a princípio fortemente influenciado pela poética de Annibale Carracci, começa a guinar rumo ao Maneirismo tardio de seu notório contemporâneo Guido Reni, tornando-se mais fluido, com cores mais claras e puras.

 Em 1621, por sugestão do marquês Enzo Bentivoglio, o Papa Gregório XV o chama a Roma, onde permanece até 1623, tentando conciliar seu temperamento dinâmico com estagnação do ambiente artístico local. Não obstante, o período romano representou a fase mais prolífera de sua obra. Suas composições dessa fase, como Aurora (Villa Ludovisi), representaram, possivelmente, o substrato mais original de sua pintura. Também datam deste período seu famoso retrato do Papa Gregório XV (Getty Museum, Los Angeles) e o Enterro de Santa Petronilha (Museo Capitolino, Roma). Após a morte do papa, retorna para a Emilia.

 Em 1655, já afamado e plenamente estabelecido como maestro, compôs São Lucas Pintando a Virgem com o Menino (Nelson Atkins Museum of Art, Kansas City), por encomenda da Ordem dos Franciscanos de Reggio Emilia, e A Flagelação de Cristo (1657) para os Corsini.

Uma de suas obras, traz a Virgem Maria com os olhos fechados e mãos cruzadas sobre o peito. A tela se encontra no Instituto Gualandi de Bolonha.

 Guercino tornou-se famoso em vida pela rápida execução de suas obras – ele compôs 106 grandes retábulos para igrejas, e ao menos 144 outras pinturas, além de afrescos e numerosos desenhos. Dedicou-se à pintura até 1666, ano de sua morte, tendo amealhado um vasto número de discípulos e uma considerável fortuna.

ALESSANDRO GUARDASSONI

Nasceu em Bolonha (Itália) no dia 13 de dezembro de 1819 e morreu em 1º de março de 1888. De família profundamente católica, começou a frequentar a burguesia ainda muito jovem. A formação do artista se deu na Academia Pontifícia de Belas Ares de Bolonha, onde pintou seus primeiros quadros.

Após ganhar vários prêmios pela Itália, tornou-se professor de pintura. Dentre os alunos se encontra Padre José Gualandi, que durante anos expressou verdadeira amizade. Guardassoni foi o responsável de fazer as cópias da pintura de Guercino, realizando o sonho do Padre José de que em toda casa tivesse Nossa Senhora dos Surdos. Antes de sua morte, deixou várias de suas obras para o Instituto Gualandi.

ERMANO PERSONÈ (surdo)

Nasceu na região de Lecce na Itália em 1924 e por alguns anos frequentou o Instituto Gualandi de Florença. Logo apresentou disposição para a pintura e o desenho. Os seus pais o levaram para ter aulas com o pintor Giovanni Batista Conti, que nos anos 30 e 40 publicou vários alguns de pinturas sacras.

Tomando conhecimento de que existia em Roma um grupo de surdos que viviam com os religiosos no Instituto Gualandi e viviam sob uma Regra aprovada pela Santa Sé e pediu para ingressar em 1960.

Durante um período na casa mãe em Bolonha (Itália), ao ler a história do fundador Padre José Gualandi, iniciou a pintura de vários quadros que retratam os principais momentos da Pequena Missão. O figurino de cada personagem foi inspirado nas antigas pinturas de Alessandro Guardassoni. Depois estudou a vida do surdo Gregório Venturini (1839-1856) que foi um dos primeiros alunos da Obra. Estudou também a vida de Santina Cristalli (1863-1856), aluna do ramo feminino do Instituto em Bolonha. Estas biografias foram escritas pelo próprio fundador Padre José Gualandi.

Foram pintados mais de 183 quadros; 115 para contar a biografia do fundador; 40 para a história de Gregório e 28 para a biografia de Santina. Todos coloridos e do mesmo tamanho de tela.

Em 2012 presenteou o Brasil com uma versão de Nossa Senhora dos Surdos, usando mais das cores e com seu estilo próprio. Esta a última pintura antes de adoecer. Na época contava com 76 anos. Atualmente mora em Florença.

LUCAS ZOFANETTI

 

Lucas Zofanetti Lima nasceu em São João da Boa Vista – SP em 1986. Iniciou sua carreira artística em 1999. É graduado em arte pela Faculdade Euclides da Cunha e pós-graduado em arte-educação pela Faculdade de Pinhais. Participou de inúmeras exposições no Brasil e no exterior. Em 2012, recebeu o “Prêmio Público Francês” no Salon International d’Art Contemporain no Château de Beauregard-Cellettes-Loire et Cher-França pela obra “Caiapó”. Retratou padres, bispos, cardeais e o papa Francisco. O retrato do papa foi entregue a ele por ocasião de sua primeira vinda ao Brasil em 2013.

Dedica-se à produção de ares sacras em inúmeras igrejas, capelas e casas religiosas, além de ser professor de arte.

Em 2015 fez o altar da Igreja Matriz de Jaguapitã. Pela primeira vez na história Nossa Senhora dos Surdos, Mãe do Silêncio é pintada de corpo inteiro. A túnica e o manto foram continuados a partir de um projeto elaborado pelo próprio Lucas. Fez ainda um quadro de Nossa Senhora dos Surdos e uma outra tela a partir de uma fotografia original do fundador da Pequena Missão, Padre José Gualandi com a semblante mais jovem.

Uma frase, resume a motivação de suas pinturas: “A arte sacra é uma ponte entre o céu e a terra, o humano e o divino”

 

 

ROBERTO VENDRAMETTO

GIOVANNI BASCIU